anne.

Resenha de O céu está em todo lugar

"Às 16h48 de uma sexta-feira de abril, minha irmã estava ensaiando para o papel de Julieta e, menos de um minuto depois, estava morta.
Para a minha surpresa, o tempo não parou com o coração dela.
As pessoas continuaram indo à escola, ao trabalho, a restaurantes; continuaram quebrando bolachas salgadas em suas sopas, preocupando-se com as provas, cantando nos carros com as janelas abertas.
Por vários dias, a chuva martelou o telhado da nossa casa - uma prova do terrível erro cometido por Deus.
Todas as manhãs, quando me levantava, ouvia as incestantes batidas olhava pela janela para a tristeza lá fora e me sentia aliviada, pois pelo menos o sol tivera a decência de ficar bem longe de nós."

                                                                                                            Pág. 25

*****
O Céu está em todo lugar
Autora: Jandy Nelson
Editora: Novo Conceito
Páginas: 419

        Lennie, amante da literatura, toca clarinete, vivia a sombra da irmã, mas era feliz, uma aura apagada e era simplesmente a melhor amiga da protagonista de sua vida. Mas foi preciso perder o que ela mais amava pra que ela pudesse se encontrar. Bailey, sua irmã e melhor amiga morre. O mundo dela desaba, se sente sozinha, mal amada e sem ninguém, pra poder dividir os momentos de sua vida.
        Lennie se vê tendo que viver sua própria vida, sendo a protagonista dela, como se ela acordasse depois de muito tempo dormindo. E assim, ela se vê com Toby o namorado da irmã, logo ela se arrepende por tal ato, mas com ele ela sente Bailey viva e ele sente o mesmo.
        Ela conhece Joe um trompetista que tem um quê de felicidade em si mais do que o normal, mas ela gosta disso, Lennie ama tamanha felicidade que ele guarda debaixo daqueles longos e lindos cílios. Ela se vê entre dois caras que a completam, Toby entende a dor dela, compreende tudo que ela sente com a perda da irmã e Joe que a deixa nas nuvens de tanto amor a faz muito feliz.
        Ela leva um dia de cada vez, com as pessoas ao seu redor para lhe ajudar, com Joe para amar, até que ele a pega aos beijos com Toby, ela faz de tudo pra reconquistá- lo. Arranca flores do jardim da avó, escreve um poema, tenta a arte da sedução... E por ai vai, é claro que p final eu não posso desvendar, mas o livro inteiro é perfeito!
        Quando eu comecei a lê-lo fiquei surpreendida, a cada início ou final de um capítulo tem a imagem de um dos poemas da Lennie, que são super lindos. As palavras da Jandy Nelson são inteiramente intensas e conseguem atingir o fundo de minha alma. Cada frase é como um sentimento, uma sensação me rondando enquanto eu leio. Como se as palavras flutuassem e tentassem entrar dentro de mim, e conseguem.
        O Céu está em todo lugar se tornou meu livro favorito, de verdade, a intensidade que ele foi escrito, preparado, com tanto cuidado e carinho e está cheio de amor. Sua leitura é através de Lennie, ainda consigo sentir as palavras flutuando do livro pra serem sussurradas dentro de mim, e milhões de explosões de sentimentos logo em seguida.

Minha avaliação: *****
        As palavras da Jandy Nelson são inteiramente intensas e conseguem atingir o fundo de minha alma. Cada frase é como um sentimento, uma sensação me rondando enquanto eu leio. Como se as palavras flutuassem e tentassem entrar dentro de mim, e conseguem. Ainda consigo sentir as palavras flutuando do livro pra serem sussurradas dentro de mim, e milhões de explosões de sentimentos logo em seguida.

Melhores Trechos:
     
"A tristeza é uma casa em que as cadeiras se esqueceram de como nos segurar, os espelhos de como nos refletir, as paredes de como nos conter. A tristeza é uma casa que desaparece cada vez que alguém bate a porta, uma casa que se vai com o vento à menor rajada, que se enterra no solo enquanto todos estão dormindo. A tristeza é uma casa em que ninguém pode proteger você, em que a irmã caçula vai envelhecer mais que a irmã mais velha, em que as portas não deixam mais você entrar nem sair."
                                                                                                            Pág. 115
"Quando estou com ele, há alguém comigo em minha casa de tristeza, alguém que conhece sua arquitetura como eu, que pode caminhar comigo, pesaroso, de cômodo em cômodo, fazendo com que toda a estrutura sinuosa de vento e de vazio não seja tão assustadora, tão solitária como antes."
                                                                                                            Pág. 125
"Sei bem o que ele vai perguntar e então faço a única coisa em que consigo pensar para impedir que a pergunta saia de sua boca: beijo-o. Quer dizer, beijo-o de verdade, como desejei fazer desde a primeira vez que o vi na banda. Não há nada de doce e suave nesse gesto. Com os mesmos lábios que acabaram de beijar outra pessoa, com um beijo, espanto a pergunta dele, a sua suspeita e, depois, espanto também essa outra pessoa, e tudo maisque quase acabou de acontecer, até que reste somente nós dois, Joe e eu, no quarto, no mundo, no meu louco coração inflamado."
                                                                                                            Pág. 182
"Minha irmã vai morrer todos os dias, pelo resto da minha vida. A dor dura para sempre. Não desaparece nunca; torna-se parte de nós, a cada passo, a cada suspiro. Nunca vai parar de doer, Bailey, porque nunca vou deixar de gostar muito de você. É assim que é. A dor e o amor caminham juntos, um não existe sem o outro. Tudo o que posso fazer é adorá-la e amar o mundo, imitar seus passos ao viver com ousadia e força e alegria."
                                                                                                            Pág. 390

2 comentários:

  1. mt boum o site.
    parabéins ah vc que crio ele
    paz

    ResponderExcluir
  2. Senti em relação a este livro a mesma coisa que você sentiu. Tanto que, ainda no inicio da leitura, fui correndo pesquisar na internet se a autora tinha mais livros publicados - mas infelizmente parece-me que não. A narrativa é simplesmente perfeita, arrepia, toca fundo na alma. Senti-me lá, fazendo parte da história, encontrando os versos de Lennie pela cidade, sentindo o perfume das flores da vovó e me deleitando com os irmãos Fontaine.
    Parabéns pela resenha, me fez sorrir mais uma vez ao me recordar dessa linda e super bem escrita história!
    Grande beijo

    ResponderExcluir